Lollipop significa pirulito em inglês, mas, no jargão dos profissionais que trabalham em eventos, tem um sentido crucial: sinalizar, com muita simpatia e por meio de um bastão, o caminho de convidados. Se você está nos Jogos Olímpicos Rio 2016, os profissionais do “lollipop” indicarão o trajeto para viver as emoções do que há de melhor no esporte mundial. E sem atrasos, confusões ou filas erradas.

Conheça também as histórias de Diego Santos, ex-auxiliar de cozinha que virou professor e trabalha no Refettorio Gastromotiva, e Dona Sheila Valente, que faz reciclagem no Parque Olímpico

Por meio do programa Coletivo Eventos, o Sistema Coca-Cola Brasil e outras empresas contrataram jovens para várias funções durante os Jogos Olímpicos. Daniela da Silva Gomes Oliveira, de 27 anos, participou do programa. Formada em turismo e estudante de administração, estava desempregada. Ex-participante do Coletivo Coca-Cola, ela soube das vagas do programa específico de eventos a partir da dica de uma ex-professora.

E, após a experiência no Coletivo Eventos, foi selecionada para trabalhar na Coca-Cola Brasil durante os Jogs. Desde o início da competição, auxiliou convidados da companhia no percurso diário até o Parque Olímpico.

“Levei todos para as competições diariamente. Acompanhei até a porta dos estádios do Parque Olímpico. Foi a primeira vez em que trabalhei nessa função, pedi para ser ‘lollipop’ e adorei. Conversei muito com convidados, troquei experiências”, conta Daniela, que também já trabalhou como assistente de atendimento em uma agência de publicidade.

Um dos momentos mais marcantes foi a abertura, no Maracanã. Daniela foi uma das profissionais escaladas para levar os convidados até o estádio. Para tudo dar certo, ela passou por treinamentos com todo o time antes da competição, principalmente sobre como lidar com pessoas.

“No começo tive frio na barriga, me arrepiei no Maracanã. Vou levar para a vida toda os aprendizados que tive para exercer essa função, sobre como agir em diversas situações. Além disso, conversei durante horas com convidados, trocamos pins, dei dicas sobre o que fazer no Parque Olímpico. Tudo teve um sentido especial e único nessa experiência”, afirma Daniela, confiante de que novas oportunidades — e “lollipops” — surgirão em sua carreira.