Exagerou nas festas de fim de ano? Quer relaxar no verão? Que tal um chazinho? Tem boldo, camomila, hortelã, erva-doce...

1. Mais de 60 produtos

A Leão Fuze, uma marca da Coca-Cola Brasil, oferece mais de 60 produtos em sua para infusão – aquelas ervas que vêm em saquinhos de chá ou a granel, para serem colocadas na água quente. Tem camomila, capim-cidreira, hortelã, erva-doce, morango, carqueja, maçã e canela, boldo, chá verde com limão, chá verde com maracujá, chá preto com pêssego, e ainda muitos outros, incluindo o Matte Leão com Limão, com canela, laranja, pêssego e a granel.

2. Linha super-premium

Os mais novos integrantes dessa saborosa família fazem parte da Leão Fuze Senses, uma linha especial que inaugura o segmento super-premium da categoria no país: amora, mirtilo & baunilha; mate, hibisco & cereja; e maracujá, laranja & gengibre.

3. A temperatura ideal

A mistura de água com a erva deve ser feita antes do ponto de ebulição ou um pouco depois, de acordo com a designer de chás Juliana Liborio Reis, para que o resultado seja mais saboroso. Para os verdes, a temperatura ideal é entre 80 e 85 graus; para os pretos, torrados, entre 85 e 98 graus. O tempo de infusão – ou seja, o tempo que se deve deixar as ervas “descansarem” dentro da água antes de se provar a bebida – do chá verde clássico é de aproximadamente três minutos. Já os pretos, entre quatro e cinco minutos.

4. Mais de 100 anos de história

A empresa que fabrica os chás Leão Fuze foi fundada por Agostinho Ermelino de Leão Junior, em 8 de maio de 1901, como uma companhia de industrialização de erva-mate no Paraná. Por isso, foi batizada Leão Junior. Em 2007, passou a integrar o Sistema Coca-Cola Brasil e, em 2012, após a conclusão do processo de incorporação, ganhou o nome oficial de Leão Alimentos e Bebidas.

5. O Matte Leão Tostado, queridinho dos cariocas

Em 1938, percebendo um grande número de apreciadores de mate tostado em brasa, a empresa lançou o Matte Leão Tostado no mercado brasileiro. O novo mate era moderno e prático, pois já vinha queimado. Também nessa época, já no início da Segunda Guerra Mundial, havia dificuldades para a entrada de chás em geral no país, o que incentivou a disseminação do mate como o chá genuinamente nacional. O slogan da Leão Junior à época era: “Use e abuse, já vem queimado”. Naquele tempo, bebia-se Matte Leão nas elegantes casas de chá recém-inauguradas no país.

6. Gelado e no copinho

No calor do Rio de Janeiro na década de 1950, então capital federal, surgiu o hábito de tomar mate gelado. A bebida era muito vendida nas praias e no Maracanã. Anos depois, no fim da década de 1980, reconhecendo a importância desse hábito, a Leão lançou o Matte Leão em copos selados, produto pioneiro no Brasil no ramo dos chás prontos para beber.

7. Degustadores treinados fazem testes de qualidade

Antes de sair da Fábrica Fazenda Rio Grande (PR), todo lote de chá passa por testes minuciosos, que incluem análises físico-químicas, microbiológicas e até mesmo sensoriais, feitas por degustadores treinados. Dentro de uma cabine, um funcionário do sistema de qualidade da Leão cheira, analisa a cor e prova diversas amostras de chás, fazendo anotações numa prancheta. Em ambientes fechados, livres de interferências exteriores, os profissionais recebem uma amostra padrão e a comparam com o lote recém-chegado. O gosto está diferente? A cor fora do padrão? O cheiro não está uma delícia? Então nada feito! O lote que não é aprovado nos testes volta para o fornecedor.

8. Ambiente estéril

Para circular na área de produção das fábricas de chás Leão Fuze é preciso utilizar jaleco, óculos de proteção, protetores para os ouvidos, botas especiais, touca na cabeça, luvas e, em alguns locais, capacete. Ah, tudo esterilizado.

9. 500 mil quilos de chá por mês

A Fábrica Fazenda Rio Grande, no Paraná, produz 500 mil quilos de chás Leão Fuze por mês. Foi a primeira fábrica do país a receber, em 2012, a certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), um atestado de que a construção segue rigorosos padrões de sustentabilidade, fornecido pelo Green Building Council Brasil.

10. Painéis solares, torneiras de reuso e telhado verde

Todas as salas de reunião na Fábrica Fazenda Rio Grande têm nome e cheiro de plantas, como hortelã e camomila, e isso é só um exemplo de como o cuidado pelo meio ambiente está por todos os cantos por lá. Painéis solares aquecem a água utilizada em banheiros e vestiários; há torneiras de reuso especiais com água captada da chuva para a limpeza de áreas externas; uma central de triagem de resíduos; vagas especiais no estacionamento para funcionários que dão carona; e ainda o maior telhado verde da América Latina, com 2.700 metros quadrados, que funciona como um isolante térmico natural e como purificador de ar.