A diversificação do portfólio é uma tendência nas maiores empresas mundiais. Com a The Coca-Cola Company não é diferente e mais um passo foi dado nessa direção: a empresa anunciou recentemente que assumiu o controle, na América Latina, da marca AdeS. Para aqueles que são fãs da bebida à base de soja, a nova dobradinha alia a conhecida qualidade do produto AdeS com o padrão Coca-Cola de produção e distribuição, expandindo as possibilidades de alcance para mais perto da mãos do consumidor.

“A chegada de AdeS marca a entrada da Coca-Cola Brasil no mercado de bebidas à base de proteína vegetal, completando o portfólio da empresa que, em 2016, com a compra da Verde Campo, entrou na categoria de proteína animal. A compra faz parte de uma estratégia da empresa de ampliar a oferta de produtos em áreas nas quais até então não tínhamos experiência”, explica Luiz Valmont, vice-presidente de Estratégia e Inovação da Coca-Cola Brasil.

Lançada em 1988 na Argentina, AdeS é a marca líder de bebida à base de soja na América Latina e pertencia à Unilever. Como primeira grande marca lançada na categoria, foi pioneira no desenvolvimento do segundo maior mercado global de bebidas à base de soja. Está presente em Brasil, México, Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Chile e Colômbia. No Brasil, onde a AdeS responde por 60% da fatia do mercado de bebidas à base de soja, a compra é liderada pela Coca-Cola Brasil e seus nove fabricantes Andina, Brasal, FEMSA, Grupo Simões, Solar, CVI, Refrescos Bandeirantes, Uberlândia Refrescos e Sorocaba Refrescos.

‘Estamos sempre tentando descobrir o que o consumidor quer e a aquisição de AdeS, assim como de Verde Campo, é uma resposta a essa demanda’ — Luiz Valmont, vice-presidente de Estratégia e Inovação da Coca-Cola Brasil

AdeS faz parte da expansão das plataformas de bebidas da empresa na América Latina. Nos últimos anos, o Sistema Coca-Cola ampliou sua presença nos negócios de suco, laticínios e café da América Latina, graças à aquisição de marcas importantes como Sucos Del Valle (América Latina), Sorvetes Santa Clara (México), Tonicorp (Equador), EstrellaAzul (Panamá) e Verde Campo (Brasil). Após um período de transição, os produtos Ades serão distribuídos pelos engarrafadores do Sistema Coca-Cola Brasil.

No Brasil, a integração da operação se dará em três fases: a primeira visa a estabilizar a performance do produto no mercado. A segunda fase é a de ajuste, com definição de políticas de preços e a integração de AdeS aos canais de distribuição da The Coca-Cola Company. Por último, entra-se na fase de expansão, com a introdução de novos produtos da linha AdeS no portfólio da companhia.

“A visão para AdeS é de crescimento. O mercado para produtos funcionais está em franca expansão. E no Brasil, particularmente, esse mercado ainda está em seu início, o que ao nosso ver se traduz em oportunidades. Se hoje, os produtos AdeS são distribuídos basicamente em redes de supermercados, com a aquisição pela The Coca-Cola Company, e no Brasil, pela Coca-Cola Brasil, em pouco tempo, eles chegarão a outros canais de venda como padarias e mercearias, aumentando a sua capilaridade e alcance”, explica Valmont.

A marca AdeS tem mais de 20 sabores entre sucos, shakes, vitaminas e frapês, com 0% de conservantes, 0% de lactose e 0% de colesterol. Bebida rica em cálcio e proteínas, feita com soja especial, tem garantia de qualidade da matéria-prima. E que será reforçada com o conhecido padrão de excelência dos produtos fabricados pela The Coca-Cola Company, assegura Valmont:

“AdeS tem um nível altíssimo de qualidade em toda sua cadeia de valor. Estamos sempre tentando descobrir o que o consumidor quer e a aquisição de AdeS, assim como de Verde Campo, é uma resposta a essa demanda do consumidor. Estamos orgulhosos de tê-la em nosso portfólio”.

‘Temos na AdeS uma joia que vai ficar ainda maior e melhor em nossas mãos e tudo isso a um braço de distância do consumidor’ — Luiz Valmont

Em tempos de crise econômica global, o movimento de aquisição significa também um olhar positivo da companhia para o futuro.

“Em situações de crise, temos duas alternativas: ficar parados ou nos preparar para quando a crise acabar. Porque o certo é que toda crise é passageira. Sendo assim, resolvemos investir mais forte nesse período, apostando num mercado com enorme potencial de crescimento. No Brasil, acreditamos tanto nisso que todos os fabricantes do Sistema Coca-Cola entraram como sócios nesse empreendimento”, diz Valmont, que ainda destaca que a companhia vê o Brasil e a América Latina como uma região de destaque nesse tipo de produto: “A ideia é termos aqui uma região de excelência em produtos de proteína vegetal. Também serão estimuladas as exportações dentro da América Latina, dinamizando a economia local.”

Mas a expansão não para por aí. As proteínas à base de soja são apenas o início de um movimento da The Coca-Cola Company na pesquisa, desenvolvimento de novas tecnologias e teste de produtos de proteína vegetal. O futuro é promissor e as fronteiras podem ser em breve superadas com a chegada ao mercado de bebidas com base em outras sementes e grãos.

“Nossa aposta é investir na inovação do nosso negócio e das nossas marcas, sempre a serviço do compromisso de oferecer mais opções de escolhas para as pessoas. Acreditamos na marca e na nova linha de produtos que será incorporada ao nosso portfólio. Temos na AdeS uma joia que vai ficar ainda maior e melhor em nossas mãos e tudo isso a um braço de distância do consumidor”, conclui Valmont.

Texto produzido por Ecoverde Conteúdo Jornalístico