Trabalhar na Coca-Cola Brasil é um desejo de muitos profissionais. A maior produtora de bebidas não alcoólicas do país se esforça para oferecer um ambiente de trabalho inspirador, valoriza a diversidade e busca o que seus profissionais têm de melhor. Mesmo com a grande concorrência, candidatar-se a uma vaga é simples. Basta ficar atento aos cargos disponíveis.

A equipe de recrutamento usa dois canais principais para encontrar profissionais: o sistema de cadastramento de currículos da Coca-Cola e a página da empresa no LinkedIn.

No sistema da Coca-Cola Brasil, o primeiro passo é verificar as vagas disponíveis na seção de busca. Também há postos para portadores de necessidades especiais (PNE), para o programa de estágio e a Fábrica de Manaus. É possível filtrar as oportunidades por tipo de trabalho (meio período, tempo integral ou temporário), país, função e cidade. Ao encontrar uma vaga que interesse, é só enviar o currículo. O mesmo raciocínio vale para quem procura um emprego utilizando o LinkedIn. Para não perder oportunidades, o candidato ainda pode optar por ser avisado por e-mail quando surgir uma vaga na sua área de interesse.

Os dois sistemas, tanto o do Coca-Cola Journey quanto o da rede social, são construídos em inglês, porém o currículo do candidato pode ser enviado em português. Os candidatos de PNE, estágio e Fábrica de Manaus utilizam a plataforma do Vagas.com. A companhia é americana, com sede na cidade de Atlanta, nos EUA, então é importante que seus funcionários, mesmo no Brasil, tenham conhecimento da língua inglesa. Ainda é possível exportar o currículo do LinkedIn diretamente para o site da companhia. Por isso é importante manter o currículo na rede.

A The Coca-Cola Company na América Latina não usa empresas de recrutamento. Isso quer dizer que toda a seleção é feita pela própria companhia. É trabalhoso, contam os envolvidos, mas vale a pena, uma vez que nada é ignorado pelo time.

Alessandra Nogueira, gerente sênior de Aquisição de Talentos da América Latina na The Coca-Cola Company, garante: “Sim, nós analisamos todos os currículos que chegam pelo LinkedIn e diretamente pela nossa plataforma”, enquanto clica em uma vaga aberta com mais de 260 interessados. “Então é muito importante que as informações estejam atualizadas”.

Além de checar os formulários recebidos, o time de recrutamento faz uma constante investigação dos profissionais que estão em alta no mercado: aqueles que publicam artigos e participam de palestras, por exemplo. E a equipe ainda tem relacionamento com áreas de carreiras em universidades, promove ações para identificar executivos e executivas de sucesso, entre outras atividades. “Estamos sempre de olho nas pessoas que estão inovando e se movimentando”, explica a gerente.