O currículo é o primeiro contato do candidato com o recrutador. Por isso, sua construção não deve ser tratada como uma mera formalidade. Afinal, essa é uma pequena oportunidade para o profissional mostrar suas habilidades e experiências prévias, além de expor seus diferenciais. Gerente sênior de Aquisição de Talentos da América Latina na The Coca-Cola Company, Alessandra Nogueira acredita que um currículo bem feito pode abrir portas. Abaixo, ela enumera sete sugestões para a construção de um perfil profissional.

1. Atenção ao português

Cometer erros de português é critério eliminatório. Por isso, é importante que o candidato leia diversas vezes o documento antes de entregá-lo. Também pega mal só traduzir para o inglês parte do texto por distração. Importante ficar atento aos detalhes.

2. Sem rodeios

O profissional deve utilizar uma linguagem clara e objetiva, enumerando, sem rodeios, os resultados que teve em cada cargo. Devem-se listar os feitos de maneira direta. Se o candidato for um executivo sênior, por exemplo, ele pode dizer: “Aumentei em 7% o faturamento da empresa”. Demonstrar resultados concretos é essencial.

3. Menos é mais

Destacar apenas as informações estratégicas pode ser mais eficiente do que listar inúmeros cursos que, muitas vezes, não tiveram grande papel na formação do profissional. “O recrutador, geralmente, quer avaliar de maneira ágil o grau de conhecimento e de experiência do candidato. Por isso, é melhor dedicar mais espaço às realizações”, afirma Alessandra. A capacidade de síntese e comunicação também é analisada.

4. Tudo em ordem

Uma boa forma de ordenar o currículo é seguir a sequência: formação, idiomas e, depois, enumerar as empresas em que trabalhou, começando pela mais recente, até chegar à mais antiga. O ideal é destacar quatro ou cinco importantes contribuições dadas à empresa.

5. Uma história interessante

A gerente de aquisição de talentos ressalta que deve-se olhar o currículo como se fosse um livro de história. “Como você contaria a história de sua carreira em poucos capítulos? Quais são os feitos mais importantes?”, são algumas perguntas que Alessandra sugere como exercício ao candidato.

6. Palavras-chave

É interessante utilizar, na elaboração do texto, palavras-chave de suas áreas de atuação, como “branding”, plano de comunicação, incremento ou “top of mind”, para pessoas das áreas de marketing ou negócios, apenas para dar alguns exemplos. “Em um mar de documentos, essas palavras saltam aos olhos do recrutador”, garante Alessandra.

7. Deixe sua marca

O currículo é o primeiro contato do candidato com o recrutador. É uma pequena oportunidade para o profissional deixar sua marca, expor seus diferenciais. Mas cuidado com a criatividade em excesso. O mais importante é que a mensagem seja clara e rapidamente compreendida por quem está lendo.