Em meus 19 anos trabalhando nos Arquivos da Coca-Cola, devo ter dito a frase: “A Coca-Cola foi servida pela primeira vez em 8 de maio de 1886 na Jacobs’ Pharmacy” milhares de vezes, ao contar a história da bebida.   

Com a repetição constante, a Jacobs’ Pharmacy tornou-se uma “coisa” em vez de um lugar ou uma loja administrada por uma família. Por isso, neste ano de 2016, no nosso 130º aniversário, gostaria de ir além e apresentar aos leitores o doutor Joseph Jacobs, o homem que fundou a Jacobs’ Pharmacy.

Doutor Joseph Jacobs

Nascido em Jefferson, no estado americano da Georgia, Jacobs estudou com o doutor Crawford W. Long, o médico que descobriu o uso do éter como anestésico. Foi Long, inclusive, que assegurou a admissão de Jacobs na Universidade da Georgia. Após sua formatura, Jacobs continuou seus estudos na Faculdade de Farmácia e Ciência da Filadélfia, no estado da Pensilvânia, antes de retornar à Geórgia, para abrir a Atenas Pharmaceutical Company, na cidade de Athens. O crescimento de Atlanta atraiu Jacobs para a cidade, e ele se mudou para lá em janeiro de 1884, depois de comprar a Taylor Pharmacy, no distrito de Five Points, no centro de Atlanta.

Em 1929, o doutor Jacobs escreveu um artigo para a “Drug Topics”, uma revista da indústria farmacêutica voltada para os comerciantes, chamado “Como eu ganhei e perdi o interesse em Coca-Cola”. Nesse artigo, Jacobs descreveu a fonte de refrigerante que existia em seu estabelecimento.

“No lado direito da entrada, havia uma fonte de refrigerante administrada por Willis Venable, com assistência de seu irmão, John Venable, e seu filho Edward Venable, (agora um dos principais proprietários de restaurantes em Atlanta.) A fonte adquiriu uma reputação maravilhosa e tornou-se um grande negócio. Ela rendia uma média de US$ 150 por dia com a venda de várias bebidas”.

Como era costume na época, as fontes eram geralmente instaladas em um espaço alugado por proprietários de farmácias. Este foi o caso com Venable e Jacobs.

É importante ter em mente como eram as farmácias em 1886. Elas funcionavam como armazéns gerais que também distribuíam remédios. Aberto a homens e mulheres, as farmácias eram locais onde as pessoas se reuniam para saber as notícias do dia, comprar o que precisavam e desfrutar de um refresco extraído da fonte. A Jacobs’ Pharmacy era uma das principais farmácias de Atlanta.

Parte do motivo de sua popularidade eram as práticas empresariais inovadoras criadas pelo doutor Jacobs. Ele foi um dos primeiros varejistas de Atlanta a dar descontos em suas mercadorias. Quer saber de uma história interessante? A menor moeda utilizada em Atlanta após a Guerra Civil era o níquel. Jacobs viu uma oportunidade e comprou o equivalente a US$ 300 em moedas de um níquel na Casa da Moeda, em Washington, e começou a cobrar 98 níqueis em itens que, antes, custavam US$ 1, para que ele pudesse fornecer o troco. Os descontos atraíram clientes, mas irritaram os concorrentes, a ponto de Jacobs se tornar alvo de ameaças e processos judiciais. Jacobs se manteve fiel à sua estratégia e, depois que a raiva dos outros comerciantes passou, todos perceberam que o níquel tinha vindo para ficar em Atlanta.

Como Jacobs escreveu em seu artigo de 1929, ele foi co-proprietário da The Coca-Cola Company por um curto período de tempo. Willis Venable tinha comprado do doutor John Pemberton, o inventor da Coca-Cola, uma participação no negócio. Com essa compra, Pemberton passou a deter um percentual da empresa e também a receber de Venable royalties por galão. Pouco tempo depois, Venable precisou de dinheiro para construir uma casa no West End de Atlanta. Para levantar fundos, vendeu sua parte da fórmula para Jacobs, em troca de um adiantamento em dinheiro.

Nesse momento, Asa Candler entra na história. Jacobs e Candler eram bem familiarizados como dois dos principais farmacêuticos de Atlanta. Asa, inclusive, providenciou que seu filho, Charles Howard Candler, trabalhasse na Jacobs’ Pharmacy para que ele pudesse aprender o ofício. Candler então manifestou interesse em abandonar o negócio da farmácia, e Jacobs disse que sabia pouco sobre Coca-Cola e desejava dispor de seu interesse no produto. Os dois, portanto, fizeram um acordo. Candler deu a Jacobs uma fábrica de vidro em troca de sua participação na Coca-Cola. Candler, por sua vez, adquiriu a parte de Pemberton e logo assumiu o controle total da empresa.

“Após entregar meu estoque de Coca-Cola ao senhor Candler, eu nunca mais adquiri novas levas produto, o que evidencia o meu fraco discernimento”, escreveu Jacobs. Mas esse fato isolado não honra o seu sucesso como um homem de negócios. A partir de sua única loja em Five Points, Jacobs continuou a expandir seu negócio e tornou-se o maior proprietário de drogarias da cidade. No momento da sua morte, em setembro de 1929, Jacobs possuía oito lojas em Atlanta. Seu filho, Sinclair Jacobs, também um farmacêutico, continuou a fazer a cadeia crescer até que houvesse 21 lojas no Sul dos Estados Unidos. Sinclair vendeu a cadeia para a rede Revco Drugs após a Segunda Guerra Mundial.

Joseph Jacobs foi um integrante da The Temple, a mais antiga congregação judaica em Atlanta, e muito respeitado em sua comunidade. Seu filho Sinclair foi presidente da The Temple durante os anos 1940. A família possuía uma propriedade de 40 acres na Roswell Road, ao norte de Buckhead. Sinclair morreu em 1977 e foi sucedido por seu filho, Tory, que se mudou para Miami, onde viveu até sua morte, em 2011.

Embora a loja original da Jacobs’ Pharmacy em Five Points não exista há muito tempo, ainda se pode ter algum contato com a história da família ao visitar o Cemitério Histórico de Oakland, em Atlanta, para ver o mausoléu da família Jacobs, um dos mais antigos e luxuosos da cidade.

Então, da próxima vez em que você ler ou ouvir a frase, “A Coca-Cola foi servida pela primeira vez em 8 de maio de 1886 na Jacobs’ Pharmacy”, espero que tenha uma noção maior de quem foi esse homem.

*Ted Ryan é diretor de Comunicações e Legado da The Coca-Cola Company.