Foi no dia 12 de junho de 2016 que a carioca Isabela Mondaini desembarcou em Milão, na Itália, pela primeira vez. Funcionária da Coca-Cola Brasil há 11 anos, ela começava, ali, a realização de um sonho profissional: passar uma temporada imersa na realidade de outro país, na Europa. “Cada vez mais as empresas valorizam as experiências internacionais, oportunidades que qualificam o profissional em determinadas competências, dando a ele habilidades importantes. A maioria das pessoas tem vontade, mas não tem essa chance”, argumenta Isabela, que é gerente sênior da área de Key Accounts na Coca-Cola Brasil para o McDonald’s. “Meu trabalho no Brasil é buscar as sinergias de negócio entre as prioridades do cliente e as da companhia, para então criar estratégia e planos de crescimento em conjunto”.

A vontade de morar no exterior foi sinalizada numa das reuniões anuais de planejamento de carreira com o gestor. Sem uma vaga efetiva lá fora, ele propôs que Isabela participasse do Short Term Assignment (um projeto de curta duração), um dos benefícios da Coca-Cola Brasil para seus funcionários. “É uma experiência de curto prazo e muito produtiva”, explica a executiva sobre o programa, que proporciona um trabalho específico por um período temporário — geralmente de três meses — em outro lugar do mundo. “Mesmo que a pessoa tenha uma família, filhos ou outro forte vínculo no Brasil, é um período possível de ser gerenciado.  A experiência por si é muito valiosa, uma vez que você tem chance de trocar boas práticas, ampliar seu networking — ou seja, a possibilidade de conhecer outros profissionais da área — e aprender a trabalhar num ambiente cultural completamente diferente”, destaca.

Isabela Mondaini
Isabela ficou baseada em Milão e aproveitou para conhecer outras cidades e países

Arquivo pessoal

O incentivo do gestor foi fundamental para que a temporada no exterior fosse tranquila. “Fui em segurança, sabendo que voltaria com meu emprego garantido, com data para ir e retornar e com meu gestor ciente de como aquilo era importante para mim e para a empresa, pois eu voltaria uma profissional melhor. O Short Term Assignment é uma prática comum na Coca-Cola. No ano passado, uma pessoa da minha equipe foi para o México aprender sobre consumo imediato, e voltou inspirada, cheia de novas ideias”.

Isabela passou quatro meses em solo italiano, no escritório da empresa, onde trabalhou com o time global do McDonald’s como um suporte na equipe de inovação. O grupo incluía profissionais da França, Alemanha, Inglaterra, Polônia e Portugal, entre outros. O objetivo era o lançamento da Coca-Cola Frozen na Europa.

Os aprendizados? Muitos. Um deles foi se relacionar com um time virtual, formado por pessoas baseadas em diferentes países. “Aqui estamos acostumados a ter todos da equipe no mesmo prédio. Se eu preciso falar com alguém, vou até a mesa da pessoa, encontro-a na fila do restaurante… Eu sou muito de contato pessoal e foi desafiador construir relações dessa maneira, mas vi que é totalmente possível”, afirma.

'Eu queria extrair o máximo desses quatro meses e tinha pressa de viver as coisas' — Isabela Mondaini

Além de observar as diferenças de comportamento entre culturas, Isabela aproveitou para conhecer outras cidades e países pela Europa. Costumava sair de Milão toda sexta-feira após o expediente para voltar somente no domingo à noite. “Eu queria extrair o máximo desses quatro meses e tinha pressa de viver as coisas, tanto pelo lado profissional quanto o pessoal”.

Ao final da experiência, em sua despedida, cada colega de equipe mandou pelos correios um souvenir típico de seu país. “Ganhei chá inglês, doces portugueses, biscoitos escoceses e muitas massas italianas”, enumera a executiva, que já tinha passado três meses na sede da The Coca-Cola Company, em Atlanta, em 2009.

Na volta ao Brasil, em outubro, a mudança foi perceptível. “Consegui fazer muitas provocações, levar pensamentos novos para os parceiros de trabalho na Itália e voltei com a energia renovada. Acho que as pessoas perceberam”, conta Isabela, que conclui: “Além do lado profissional, a viagem gera um elo emocional grande com a empresa”.

Leia também: Thais Vojvodic foi dos treinos na academia da Coca-Cola Brasil ao triatlo de longas distâncias

Texto produzido por Ecoverde Conteúdo Jornalístico