Já pensou em sair do básico do dia a dia e preparar um café especial, mas não sabe nem por onde começar? É possível, sim, fazer um cafezinho diferente em casa, mas isso requer grãos 100% arábica, além de alguns cuidados e talvez até utensílios especiais. Pensando nisso, o Café Leão lançou um e-commerce em que vende diferentes torras de café e acessórios, além de uma websérie no YouTube com curiosidades e sugestões de preparo. Os seis episódios são apresentados pelo barista Renato Gutierres, consultor do Café Leão. Reunimos sete dicas disponíveis nos vídeos para você começar a apreciar um bom café artesanal.

1. Para o café ser especial, tem que ser 100% arábica

Existem diferentes tipos e classificações de café. Na série do Café Leão, Gutierres explica que o de alta qualidade tem que ser 100% arábica, ter a origem, armazenagem, temperatura e umidade controladas.

2. Saber escolher a torra faz diferença

O processo da torra é o que ressalta os aromas e sabores do café. “É o processo de calor que transforma o café verde no torrado, no marrom que a gente conhece”, conta o barista. O Café Leão optou pelas torras média — que ressalta os sabores intrínsecos do grão, como o caramelado — e escura, com um tom achocolatado, mais intenso. Os cafés que compramos no dia a no dia costumam ser torrados demais, para esconder os defeitos que contêm. Por isso, são mais amargos.

Café Leão

Mirian Fichtner

3. Café moído na hora é mais gostoso? Por quê?

Se a ideia é ter um café mais aromático e saboroso, a moagem é uma etapa importante. O café moído na hora fica mais fresco. Cada método de preparo tem a sua moagem ideal, da grossa à fina. No segundo episódio da série do Café Leão, Gutierres apresenta esses diferentes métodos e conta qual é o tipo de moedor mais prático e acessível para ter em casa.


4. Café coado: é importante deixar a água ferver

O clássico café coado no filtro tem seus segredos. Depois de ferver a água, o ideal é esperar cerca um minuto para começar o preparo. “Se você não tem a temperatura certa da água, deixa de extrair coisas importantes do café”, explica o barista.

Café Leão

Ato de beber café preparado artesanalmente vem ganhando cada vez mais adeptos no Brasil

Juvenal Pereira

5. Água quente no filtro antes de coar faz diferença

Outro detalhe que faz diferença é usar o porta-filtro V60, com ranhuras em espiral e um fundo maior, que fazem com que a água passe de maneira mais uniforme pelo café. Assim, a bebida fica mais saborosa. Uma dica importante do barista é jogar água quente no filtro antes de colocar o pó. “Isso tira o gosto e o cheiro de papel”, ele diz. No terceiro episódio da série, Gutierres mostra ainda as diferenças entre os cafés pingados.


6. Café na moka e a hora certa de apagar o fogo

A moka, uma pequena cafeteira italiana, é uma das formas mais fáceis de preparar o café. O resultado é quase um expresso, encorpado. Mas é preciso ficar atento a alguns bons conselhos do barista: a água deve ser despejada em temperatura ambiente até a altura da válvula, e o próprio filtro pode ser usado como medida para o café. A moka deve ser aquecida no fogo médio e pode ser retirada assim que começar aquele barulho do borbulhar do café.

7. Para um café mais denso, a prensa francesa

Para um café mais denso, a prensa francesa (que há quem diga que é italiana) é a melhor opção. Nesse caso, a moagem do café deve ser mais grossa. “Por dois motivos: o primeiro, é que o tempo de contato com a água vai ser muito maior. Então você vai ter mais tempo para extrair as características positivas do café. E a outra é que se a moagem for muito fina, entope a tela e a gente não consegue baixar o êmbulo”.  Veja em detalhes no quinto episódio.

Essas e muitas outras dicas e sugestões estão disponíveis no site e no canal do Café Leão no YouTube. É possível também acompanhar as novidades no Facebook e no Instagram.

Texto produzido por Ecoverde Conteúdo Jornalístico