Usar as palavras “bom dia”, “por favor” e “obrigada” no dia a dia é o básico da boa educação e da cordialidade, como aprendemos desde pequenos. Junte a esses termos as manifestações de gentileza e estará pronto o código de conduta da boa convivência entre os cidadãos. Porém, tem sido comum testemunhar no cotidiano dos grandes centros urbanos atitudes hostis. O inconformismo com a falta de civilidade uniu quatro amigos paulistanos com idades entre 21 e 26 anos: Beatriz Saraiva Sabino, designer; Rafael Cabral, desenvolvedor de software; e Murilo Gasparetto e Renato Mendes, ambos desenvolvedores para iOS. Há um ano, num curso na faculdade, o quarteto recebeu o desafio de desenvolver um  aplicativos para celulares, desde a concepção até o lançamento, em apenas um mês. O brainstorming da trupe ocorreu durante o período de férias, quando um deles teve a ideia de trabalhar com o tema “gentileza”.

“Quando esse tema surgiu, todos nós nos apaixonamos, mesmo sem saber muito bem o que fazer. O problema da falta de gentileza sempre esteve presente em nosso cotidiano. Por isso, empreendemos nossas habilidades e nosso tempo para tentar resolver a questão, ou, pelo menos, fazer as pessoas pensarem sobre o assunto”, contam os criadores do app KindMe em um e-mail que fazem questão de assinar coletivamente.

Depois de muitos encontros, discussões e noites em claro, a primeira versão do app ficou pronta e conquistou todos que tomaram contato com o trabalho. “Foi aí que percebemos que o KindMe não era só um aplicativo e, sim, uma causa. Por isso, resolvemos expandi-lo”.

Os quatro convocaram uma dupla de amigos, Natalia Monteiro, que é analista de marketing, e Fabio Pagotto Tasco, desenvolvedor para Android, para multiplicar a causa. E assim nasceu o aplicativo KindMe, que, segundo o sexteto, acredita na força da gentileza e já reúne 36 mil pessoas (de diversos pontos do país) no Facebook e  quase cinco mil no próprio aplicativo. Mas como funciona, afinal?

“O app motiva pessoas a serem gentis, no dia a dia, de forma simples: conecte-se, encontre seus amigos, sugira gentilezas para melhorar a vida urbana e compartilhe as gentilezas que você faz e vê por aí para inspirar outras pessoas”, explicam, deixando claro que essas ações nem chegam a ser trabalhosas. “Queremos mostrar às pessoas que ainda há muita gente boa no mundo e que não é preciso muito para se mudar o dia de alguém. Às vezes, apenas um sorriso basta, e essa é uma das experiências de gentileza mais compartilhadas no aplicativo.

Na prática, o KindMe, disponível para iOS e lançado recentemente para Android, propõe diversas formas inusitadas de espalhar cordialidade pelas cidades. E quem sabe assim conseguir transformar atitudes pouco gentis - como furar fila, jogar lixo no chão, ocupar assentos preferenciais, dirigir falando ao celular, não respeitar a faixa amarela dos cruzamentos, avançar o sinal, estacionar na vaga de idoso, e mais e mais...

“Fazemos ações nas ruas de São Paulo. Já realizamos quatro, e todos que alcançamos foram impactados e mostraram interesse em fazer parte dessa corrente. Em uma dessas ações que mais impactaram o público, preparamos 200 pedaços de bolo e fomos às ruas entregar duas fatias para cada pedestre: uma para a própria pessoa, com dedicatória nossa feita à mão, e outra com um bilhete em branco para a pessoa fazer sua própria dedicatória e presentear alguém, propondo, assim, uma corrente de gentileza”, recordam.

A turma também comemorou, nas ruas, o Dia Mundial da Gentileza, no dia 13 de novembro, depois de ter mais de mil pessoas confirmadas no evento criado no Facebook.  “Fomos conhecendo gente nova, conversando, jogando, tocando música e espalhando sorrisos”. A festa, no Largo da Batata, teve balões de gás com a marca do aplicativo e brigadeiros, levados pelos amigos, para serem oferecidos a quem aparecesse por lá. Tudo acompanhado de música e recreação.

Na primeira vez em que o KindMe saiu do mundo virtual para o real, a ação foi mais intimista. Logo que o aplicativo foi lançado, os  integrantes do projeto colocaram banquinhos numa calçada, ao lado de um cartaz com os dizeres: “Quer conversar sobre gentilezas?”. Muita gente aceitou o convite. “Tivemos bons papos”, lembram. E precisamos de mais o quê para um dia mais gentil?

Quer ser gentil? Veja as dicas que são tendência no KindMe:

Na faculdade

“Aquele seu amigo está com muita dificuldade em uma matéria na qual você está tranquilo de nota. Por que não ajudá-lo?”

No metrô ou no trem

“Mantenha as portas livres para que as pessoas embarquem e desembarquem com segurança. Aproxime-se quando sua estação chegar.”

“Deixe um livro no metrô.  Espalhe o conhecimento por aí. Outra pessoa irá encontrar e levar para casa, por isso também seria interessante deixar um recadinho pra ela!”

Em qualquer local público

“Recolha um lixo, por mais que não seja seu. Assim você ajuda a manter a cidade limpa para você e para todos os outros.”

“Sorria para alguém: para sua mãe, para um amigo ou até mesmo para um estranho. Nada melhor do que um sorriso sincero para inspirar as pessoas.”

“Ofereça o seu lugar a alguém: no transporte púbico, na sala de espera ou em qualquer outro local. Você não precisa estar no banco preferencial para isso!”

No elevador

“Nós sabemos que não é o clima mais agradável do mundo, mas vamos lá, tente dar bom dia sempre que entrar no elevador!”

Na rua

“Atravesse na faixa. Sabia que 90% dos acidentes com pedestres acontecem por atropelamento fora da faixa de pedestre? A culpa não é sempre do motorista, conscientize-se!”

“Deixe a esquerda livre. Existem pessoas com mais pressa que você, por isso, se você estiver tranquilo, vá para a direita na escada rolante ou no trânsito.”

“Buzine menos. Convenhamos, não vai adiantar nada buzinar. Respire fundo e se acalme e pense que deixar de buzinar ainda contribui para o ouvido de todos.”

Nas redes

“Dê os parabéns. Abra seu Facebook e veja os aniversariantes do dia. Aposto que você não gasta nem cinco minutos para desejar feliz aniversário para alguém.”

Em qualquer lugar

“Elogie alguém inesperadamente. Vale elogiar um colega de trabalho pelo bom desempenho, um amigo pelo novo corte de cabelo ou um familiar que trocou de emprego.”

“Deixe um bilhete gentil, seja no para-brisa do carro de um desconhecido, na mesa de um colega de trabalho ou em algum canto da casa. O que importa são as palavras gentis.”

“Compartilhe uma sobremesa. Adoce o dia de um colega ou de alguma pessoa que está comendo próximo a você.”

No prédio, em casa, no trabalho

“Dê um pedaço de pizza para o vizinho:. Reserve uma fatia daquela pizza que foi pedida para melhorar a amizade com pessoas que estão próximas a você.”

“Tá saindo? Não esquece de apagar a luz para ajudar o meio ambiente e o seu bolso.”

“Reutilize água. Sabe aquela água toda que a máquina usou para deixar sua roupa limpinha? Ela também serve para lavar o quintal. Em todos os cantos tem um jeito para aproveitar o recurso ao máximo.”

“Cuide de uma plantinha. Isso faz você desestressar, melhorar o ambiente da sua casa e criar uma consciência sustentável na nossa sociedade.”

Nas relações pessoais

“Presenteie alguém especial. Não necessariamente com flores, mas com qualquer agrado que você julgue ser bacana para a pessoa. Também vale usar a criatividade e criar algo.”

“Faça algo por você. Antes de tentar salvar o mundo, faça algo de que você goste. Isso irá te manter inspirado para os desafios do dia a dia.”

“Fale com um amigo antigo. Muitas vezes, a vida fica corrida e nos distanciamos de amigos. Ligue para alguém com quem você não conversa há tempos e coloque o papo em dia.”

“Doe sangue. É só uma picadinha e ajuda tantas pessoas... Se você tiver alguma restrição, pode concluir o KindMe levando alguém para doar por você.”

Reportagem produzida pela Ecoverde Conteúdo Jornalístico