A stevia é uma planta verde resistente cujas folhas contêm uma fonte única de doçura natural. Ela é cultivada no mundo inteiro, e está se tornando rapidamente um dos cultivos mais populares no mercado à medida que mais fabricantes de bebidas e alimentos procuram usar o extrato de stevia como adoçante sem calorias para reduzir a quantidade de açúcar em seus produtos. A Coca-Cola Company usa atualmente a stevia em algumas de suas marcas, como Sprite, Coca-Cola Life e glacéau vitaminwater.

A stevia está mudando não apenas o modo como fazemos nossas bebidas, mas também a economia mundial. Em lugares onde agricultores antes obtinham uma renda irregular cultivando suas terras, a stevia agora melhora a vida das famílias, como revela a história do fazendeiro Charles Langat, conhecido como o Sr. Stevia, no condado de Kericho, no Quênia.

Plantando sementes de stevia 

Quando a PureCircle, uma das maiores fornecedoras de ingredientes de stevia no mundo, introduziu a planta como uma nova fonte de renda para agricultores em Kericho, nem todos eles compraram a ideia de início. Kericho é a capital do chá no Quênia, e a maioria dos agricultores ali prefere usar sua terra para plantar chá, junto ao qual cultivam os alimentos de que precisam para sustentar suas famílias. 

Mas Charles Langat, um fazendeiro esforçado de Kericho, foi movido pela necessidade de oferecer melhores condições econômicas a sua família e fez o inesperado, usando a criatividade. 

“Um dia, eu ouvi falar em um programa de rádio local sobre esse novo cultivo de stevia. Disseram que isso poderia ajudar pequenos agricultores como eu a compensar a renda cada vez menor nos últimos anos. Então eu disse para mim mesmo: por que não experimentar isso?”, conta Langat, pai de três filhos. 

Isso aconteceu há apenas pouco mais de um ano. Hoje, a stevia responde pela maior parte de sua renda.

“As primeiras sementes eu consegui com a PureCircle, a empresa que apresentou esse cultivo complementar a nós, plantadores de chá. Agora eu consigo extrair minhas próprias sementes”, explica Langat. 

Neste vídeo, bebemos uma Coca-Cola com agricultores no Quênia, onde parte da stevia que usamos é cultivada:


Colhendo stevia 

A stevia cresce melhor em áreas elevadas com clima subtropical, portanto se adaptou bem ao solo dos campos de Langat. O melhor de tudo é que essa planta só exige uma pequena quantidade de fertilizante e água para que suas folhas estejam prontas para serem colhidas, apenas três meses depois. 

Apesar dos desafios que o fazendeiro enfrentou no início, sua determinação o levou a trabalhar mais duro em seus campos, e ele colheu os benefícios. “O potencial da estévia para nos ajudar em alguns de nossos períodos de renda baixa é incomparável ao de qualquer outro cultivo”, diz.

Folhas de estévia são colhidas três meses depois.

O sucesso de Langat se tornou um assunto comentado nas vilas, e hoje ele é popularmente conhecido pelo apelido de Sr. Stevia. Muitos agricultores querem saber o segredo de seu sucesso.

Durante meses, Langat montou em sua motoneta para chegar a outros agricultores, aos quais explicava os métodos e benefícios do cultivo de stevia. Mas, conforme ele explica, “com o tempo, essas viagens de cinco horas se tornaram muito cansativas. Então eu decidi focar em meu cultivo e depois convidei agricultores para ver como eu fazia”.  

Agricultores aceitaram seu convite e vieram de longe. Langat os ensina a cultivar a stevia com a proposta de estabelecê-la como um cultivo adicional em seus campos, uma mudança que os ajuda a se beneficiarem do enorme interesse de empresas do mundo inteiro pela matéria-prima. 

Esta não é sua única especialidade. “Eu vou um pouco mais além”, conta Langat. “Ensino os agricultores a administrarem e cuidarem de seus animais domésticos também. As fezes dos animais podem ser usadas como adubo”. Essa pequena dica poupa os agricultores de comprarem fertilizantes e ajuda a aumentar a quantidade de stevia que eles plantam. 

As partes doces das folhas podem ser uma espécie de mecanismo de defesa natural contra pulgões e outros insetos. “Talvez seja por isso que os gafanhotos devoradores de plantas evitam a stevia”, diz Langat. 

Agora, a stevia está se tornando uma escolha popular entre os agricultores de Kericho, que querem um cultivo resistente a infestações e a alguns dos outros impactos adversos na agricultura, incluindo as mudanças climáticas. Langat espera que investidores optem pelo mercado de stevia, valorizando o cultivo para que este continue a ajudar não apenas os agricultores, mas a economia queniana.