O trajeto de barco entre Parintins e Manaus, no Amazonas, na volta do Festival de Parintins, serviu como oportunidade para a promoção de sinergia entre diferentes setores para a execução de ações sustentáveis na região amazônica. A Coca-Cola Brasil reuniu, durante a viagem, um conjunto de entidades representantes da sociedade civil e do setor privado para o Fórum de Inovação e Sustentabilidade do Amazonas. Durante dois dias, o grupo de 30 pessoasdiscutiu temas ligados ao acesso à água e saneamento, cadeias produtivas - com foco principal em guaraná -, e economia circular.

“A ideia principal é criar uma comunidade de sentido em torno desses temas principais, fomentando o ecossistema local de sustentabilidade. Para além do trabalho e do sucesso de cada uma das entidades em suas regiões de atuação, é fundamental garantir uma agenda comum de trabalho”, ressaltou Luiz André Soares, gerente de Governo e Alianças Estratégicas da Coca-Cola Brasil.

A estratégia de aproximar diferentes entidades, ONGs e empresas, com atuações complementares e objetivos comuns, fez com que uma série de ações fosse definida, em conjunto pelos participantes, para ampliar o impacto positivo gerado por meio de novas parcerias. A partir do encontro, novos projetos e planos de ação foram estabelecidos, entre eles, a criação de um plano comum de acesso à agua para mapear e integrar iniciativas já existentes na Amazônia e potencializar sua atuação. Demandas comuns também culminaram na proposta de criação de uma rede para unificar soluções inovadoras para acesso à água e saneamento para a região.

“O cuidado com a água é uma missão compartilhada por todos. Como empresa a missão é olhar para o nosso negócio e ver onde podemos contribuir. Cada um fez o esforço trazer a sua vocação, contribuir e fazer o seu papel da melhor forma”, explicou Laura Lima Guaitolini, engenheira de ecoeficiência da Schneider.

Iniciativas visando grupos prioritários para a cadeia produtiva do guaraná, como jovens e mulheres, construção de projetos de tecnologia, modelos de financiamento e microcrédito para a agricultura familiar também estiveram na pauta. Um grupo também se dedicou a pensar ações com foco na economia circular e na construção de modelos para reciclagem, logística reversa e transformação.

“Reunimos nomes importantes e com forte atuação na área. Temos uma série de demandas concretas e empresas e parceiros querendo fazer parte disto. Queremos fazer acontecer e gerar soluções. A nossa plataforma Água + Acesso é uma prova de que alianças dão certo. Já temos um grupo de trabalha com entidades como Fundação Avina, Banco do Nordeste, Fundação Amazonas Sustentável, WTT e Projeto Saúde & Alegria. Depois desse fórum, tenho certeza, que novas empresas e organizações estarão com a gente nessa aliança que está viabilizando o acesso à água potável para comunidades”, explicou Rodrigo Brito, gerente de operações do Instituto Coca-Cola Brasil.

Trabalhando na região há muitos anos e ciente das dificuldades e complexidades da Amazônia, Eduardo Taveira, superintendente técnico da Fundação Amazônia Sustentável, viu no fórum a chance de criar e desenvolver alianças em prol de um desenvolvimento sustentável que seja mais adequado para manter a floresta de pé. “É muito importante ver o engajamento e a mobilização de uma rede de instituições e parceiros que queiram não só entender, mas também voltar os esforços para resolver alguns gargalos da Amazônia. O grande objetivo de um evento como este no barco é tirar as pessoas do dia a dia e focar efetivamente em resoluções de problemas”, afirmou Taveira.

Sobre a Coca-Cola Brasil

O Sistema Coca-Cola Brasil é o maior produtor de bebidas não alcoólicas do país e atua em nove segmentos — água, café, chás, refrigerantes, néctares, sucos, lácteos, bebidas esportivas e à base de proteína vegetal — com uma linha de mais de 152 produtos, entre sabores regulares e versões zero ou de baixa caloria. Composto por nove grupos parceiros de fabricantes, o Sistema emprega diretamente 62,6 mil funcionários, gerando cerca de 600 mil empregos indiretos. Em 2017, serão investidos R$ 3,2 bilhões, 10% acima da média dos últimos cinco anos. O Sistema Coca-Cola Brasil está empenhado em incentivar iniciativas que melhorem o desenvolvimento econômico e social das comunidades em que opera. Para isso, conta com uma plataforma de valor compartilhado, o Coletivo Coca-Cola, que já impactou a vida de mais de 130 mil pessoas por meio de toda a cadeia de valor da empresa.