Há possibilidade de ter havido contaminação do produto por rato em fábrica da Coca-Cola, como afirma consumidor?
A Justiça de primeiro grau concluiu que não existe essa possibilidade. De acordo com o laudo, “o corpo estranho do tipo observado não é compatível com o sistema de segurança existente nas unidades da ré, representado por barreiras, filtragens de linha e bicos de enchimento”. Das seis garrafas que o consumidor alega que continham pedaços de rato, nos entregou apenas duas já abertas, que foram analisadas em nosso laboratório. Nenhum corpo estranho foi detectado. Três foram encaminhadas ao Ministério Público do Consumidor – entre elas, a que teria consumido meio gole – e a última ele mantém em seu poder até hoje, alegando que nunca foi violada. A garrafa que ele apresenta na reportagem não é a mesma que ele diz que consumiu. Qualquer dúvida, basta marcar uma visita a uma de nossas fábricas!

A imprensa acompanhou o caso e também mostrou a improcedência da denúncia. Veja aqui o vídeo da Rede Record sobre a decisão judicial. E aqui a reportagem da revista Exame.

Nosso processo de fabricação tem controles de qualidade e higiene rigorosos. Para entender melhor, leia a reportagem e assista ao vídeo “Por trás da produção das novas latas: um passeio pela fábrica da Andina, no Rio”.

E ainda: entenda como funciona o sistema de gestão de qualidade da Coca-Cola Brasil.