Apaixonado por futebol, Edigard Weimar lembra com entusiasmo de quando conseguiu assistir, pela primeira vez, a um jogo da Copa do Mundo da FIFA™ dentro de um estádio. O ano era 2014, quando o Brasil foi sede do torneio, e a cidade, Belo Horizonte. De lá, o mineiro levou, além da experiência, itens que atualmente fazem parte de uma coleção que teve início há 20 anos. Agora, com os jogos acontecendo na Rússia, ele acompanha tudo pela TV em meio a essas e outras recordações que estão por toda sala de sua casa: os brindes lançados pela Coca-Cola em comemoração ao evento ao longo dos anos. São copos colecionáveis, minigarrafinhas, latas especiais, bonés e bolas que se juntam a centenas de artigos criados pela marca durante sua história. Por causa da enorme coleção, é difícil encontrar alguém no bairro Santo Antônio, em Barbacena, que não conheça Edigard.

Leia também: Coca-Cola lança filme para Copa do Mundo da FIFA 2018™

Para quem duvida de tamanha paixão, basta entrar na casa onde mora com a esposa e com o filho de três meses. Logo na entrada, ali na sala principal mesmo, há uma espécie de pequeno museu da Coca-Cola que Edigard, de 30 anos, cultiva com apreço. Tudo planejado desde antes da mudança para o local, há quatro anos. O número de itens? Edigard chuta: “Uns 300”. Porém, enquanto conta como adquiriu os objetos, conserta: “Com certeza tem muito mais do que isso”. 

Arraste e conheça mais a coleção do Edigard

A história do Edigard com a Coca-Cola começou no final dos anos 1990. Frequentando restaurantes e lanchonetes com o pai, pelas ruas da cidade mineira, ele se impressionava: “Em todo lugar tinha Coca-Cola: na roça, nas festas, nas casas”. Era o início da sua enorme coleção. Em pouco tempo, seu quarto já estava repleto de Geloucos, brindes lançados em 1998 que brilhavam no escuro.

Os brindes que fizeram história

Muito antes disso, a Coca-Cola já fazia a alegria dos colecionadores. Em 1978, ano em que a The Coca-Cola Company patrocinou pela primeira vez a Copa do Mundo da FIFA™, o Tecobol convidava os apaixonados pelo esporte a ‘entrarem com sua seleção em campo’ por meio do lançamento de tampinhas especiais com as imagens dos craques do Brasil. Além das dezenas de tampinhas, dois campos e as traves completavam a coleção. Já em 1998, os minicraques viraram febre. Até hoje é fácil encontrar pessoas que guardam os bonequinhos dos jogadores. Por incrível que pareça, não é o caso do Edigard. Ele explica: “Eu tinha a coleção completa, mas meu cachorro destruiu tudo. Ainda não desisti de conseguir novamente”.

Entre os itens que se mantiverem intactos, ele orgulha-se de ter a réplica da taça da Copa do Mundo da FIFA™, adquirida através da promoção “CopaLoucos”, em 2006, e todas as minigarrafinhas da Copa do Mundo da FIFA 2014™. Na ocasião, a Coca-Cola lançou miniaturas em alumínio decoradas com as bandeiras dos países que sediaram o torneio e dos próximos países-sede Rússia e Catar. 

Além das promoções, Edigard, que trabalha para a Força Aérea Brasileira, também encontra outras formas de aumentar a coleção. “Alguns itens eu compro de colecionadores, e tem aqueles que eu consigo trocando”, diz ele, que chegou a criar uma página no Facebook para facilitar as trocas. Nela, ele consegue se comunicar com outros apaixonados pela marca. “Já troquei com pessoas dos Estados Unidos, Rússia, China e por aí vai. Não sei falar outra língua, mas a gente dá o nosso jeitinho brasileiro, né?”, se diverte. O mineiro conta que também ganha muitos artigos de amigos e vizinhos: “Como muita gente sabe que eu coleciono, algumas visitas já vêm com um mimo ou outro”.

Sala de Edigard
Sala de Edigard virou uma espécie de museu da Coca-Cola e ele já está reformando outra

Hilreli Alves

E assim como em time que está ganhando não se mexe, na coleção do Edigard também não. O recado para as visitas está dado: “Deixo ver e pegar, mas levar algo para casa… Aí já é demais!”.

Com itens chegando a todo tempo, a sala vai ficar pequena para tanta paixão. E Edigard já pensou nisso. Atualmente, está reformando outro cômodo da casa, ainda maior, para abrigar alguns artigos que estão encaixotados e os próximos que virão. Até mesmo a esposa, Denise, que costumava estranhar ver tantos objetos pela casa, se rendeu: “Hoje, ela gosta de me ajudar a organizar e a conseguir mais coisas”. Os planos para o próximo grande item da coleção também já estão feitos: comprar um fusca e estilizá-lo ao melhor estilo Coca-Cola.

Texto produzido por Colabora Marcas

Coleção de Edigard
Edigard coleciona itens da Coca-Cola há cerca de 20 anos

Hilreli Alves