O compromisso firmado dez anos atrás foi cumprido: empoderar economicamente cinco milhões de mulheres em todo o mundo até 2020. O anúncio sobre o sucesso da meta batizada 5by20 chega a tempo de celebrar a importante data do Dia Internacional da Mulher. Somente na América Latina, mais de 400 mil pessoas foram impactadas pelas iniciativas que têm ajudado mulheres a acessarem oportunidades econômicas.

São donas de mercearias, trabalhadoras de cooperativas de reciclagem, jovens estudantes... Mulheres como a brasileira Daiana Santos, que conseguiu o primeiro emprego graças ao programa Coletivo Jovem; e como a lojista Rosa Jadán, do Equador, que recebeu treinamento para ajudar na administração de seu pequeno negócio.


Essas muitas histórias foram atravessadas por programas criados e fomentados pela Coca-Cola América Latina. Aqui no Brasil, o Coletivo Jovem chegou a 158 mil mulheres, que tiveram capacitação para dar os primeiros passos no mercado de trabalho, além de acesso a oportunidades reais de trabalho. Mais de 400 ONGs e instituições parceiras estão envolvidas na operação brasileira.

“Além de impactarmos diretamente mulheres, aproveitamos a capilaridade dessa plataforma nacional para gerar discussões: por que o dinheiro costuma ser administrado por homens nas cooperativas e a limpeza pelas mulheres? É uma oportunidade de remanejar papéis de gênero com quem está começando sua carreira agora”, avalia Ana Tacite, gerente de projetos do Instituto Coca-Cola Brasil, que conduz o Coletivo Jovem.

Painel formado por instituições parceiras discute os resultados da iniciativa 5by20
Painel formado por instituições parceiras discute os resultados da iniciativa 5by20 após uma década de empoderamento de mulheres

Nada mais importante, às vésperas do Dia Internacional da Mulher, do que trazer resultados efetivos, como apontou o presidente da Coca-Cola América Latina, Henrique Braun, durante um evento online, quando compartilhou os aprendizados dessa jornada de empoderamento.

“Conhecer essas histórias nos inspira a continuar transformando comunidades em todo mundo, empoderando mulheres economicamente e prestando auxílio para que seus negócios sejam sustentáveis. São muitas trajetórias que nos inspiram e nos mostram onde ainda podemos contribuir”, aponta Braun.

Parceiros de jornada rumo à equidade

Dez anos atrás, a Coca-Cola Company se fez uma provocação: como podemos seguir adiante com o propósito da companhia de refrescar o mundo e ao mesmo tempo fazer a diferença nos territórios onde atuamos? A resposta veio em forma de uma atuação resiliente que não teria sido possível sem parceiros estratégicos, governos e instituições civis.

Um desses parceiros é a Onu Mulheres, criadora dos 7 Princípios de Empoderamento das Mulheres, um guia que ajuda empresas a incorporarem em seus negócios práticas que visam à equidade de gênero.

“Seria bom se outras empresas imitassem os esforços da Coca-Cola Company para integrar mulheres na cadeia produtiva e de hierarquia. Percebemos como o setor privado tem tomado cada vez mais consciência da importância da igualdade de gênero, o que será essencial para que todos possamos sair da crise econômica gerada pela pandemia da Covid-19”, afirma María Noel Vaeza, diretora regional da Onu Mulheres para as Américas e o Caribe. “Não existe recuperação sem integração das mulheres na economia”.

Afinal, as mulheres são como colunas vertebrais das comunidades, como destaca Angela Zuluaga, vice-presidente de Assuntos Corporativos, Comunicação e Sustentabilidade da Coca-Cola América Latina. Para ela, 2020 foi um ponto de inflexão para a percepção do quanto é urgente agir para que essa parcela da população tenha acesso a direitos econômicos e sociais. “As mulheres em situação de vulnerabilidade foram as mais afetadas pela pandemia. Temos como dever social atuar para expandir a inclusão financeira”, analisa.

E os projetos apoiados pela iniciativa 5by20 mostram por si só o potencial de transformar comunidades e economias através das mulheres, elos fundamentais da cadeia global.

Texto produzido por Colabora Marcas