Dois mil e dezessete foi um ano importante para a Coca-Cola Brasil, já que celebramos 75 anos de histórias e a oportunidade de continuar fazendo parte da rotina dos brasileiros — seja no café da manhã com Del Valle, na hora do almoço com uma Fanta Guaraná ou à noite, curtindo um chá Leão.

Festejamos ainda a chegada de novos produtos ao nosso portfólio (alô, Crystal Sparkling, Natural Whey Shake Verde Campo, linha Del Valle Nutri, Fanta Guaraná e toda família AdeS!) e de inovações que permitiram que aprimorássemos algumas receitas.

Hoje, são mais de 140 produtos, mas essa jornada começou lá em 1942, quando a empresa deu seus primeiros passos no país. De lá para cá, a companhia, que tem sede no Rio de Janeiro, viveu, junto com seus colaboradores, histórias, invenções e campanhas que entraram para o imaginário dos brasileiros.

Carro movido a gasogênio na década de 1940, no Rio de Janeiro
Carro movido a gasogênio na década de 1940, no Rio de Janeiro

Arquivo The Coca-Cola Company

Sabia que as primeiras garrafas de Coca-Cola chegavam nos bairros altos do Rio de Janeiro de bonde? E que a primeira máquina de post-mix — que mistura o xarope do refrigerante com a água e o gás nos próprios locais de venda — foi instalada em 1970, no Leblon, bairro da zona sul da cidade?

Conheça curiosidades sobre os primeiros 75 anos desta jornada.

Refrigerante subia de bonde

As primeiras garrafas de Coca-Cola produzidas em solo brasileiro foram fabricadas em plena Segunda Guerra Mundial, em Recife, parada obrigatória das embarcações e outros veículos militares que rumavam para a Europa em guerra. A Coca-Cola usou as instalações da fábrica de água mineral Santa Clara. O ano era 1941. Já a primeira fábrica constituída no país pela Coca-Cola Brasil foi inaugurada em 1942, em São Cristóvão, à época um importante polo industrial do Rio de Janeiro.

Coca-Cola Brasil patrocinava, nos anos 1950, programa de rádio ‘Um milhão de melodias’
Coca-Cola Brasil patrocinava, nos anos 1950, programa de rádio ‘Um milhão de melodias’

Nesta época, os primeiros caminhões usados na distribuição eram movidos a gasogênio, por conta de um racionamento de gasolina. Sem grande potência, os veículos tinham dificuldade de acesso a alguns pontos da cidade. A solução para atender ao bairro aristocrático de Santa Teresa foi utilizar o bondinho.

‘Um milhão de melodias’

O estouro das mídias de comunicação de massa nos anos 1950 (o rádio e a recém-criada TV) abriu espaço para os primeiros sucessos de publicidade. Tornou-se um hábito de família de ouvir a então famosa Rádio Nacional após o jantar, e a Coca-Cola Brasil passou a patrocinar o programa mais badalado da semana. Às 20h25, todas as quintas-feiras, ouvia-se “Um milhão de melodias”.

Na ocasião foi criada a Orquestra Brasileira, dirigida por Radamés Gnattali, com músicos de samba: João da Baiana, Bide, Lamartine Babo e Heitor dos Prazeres, entre outros. A novidade abriu espaço para uma safra de músicos e para a propagação de diferentes gêneros musicais.

Fanta Laranja foi lançada no Brasil em 1964
Fanta Laranja foi lançada no Brasil em 1964

Fanta e seu fantástico nome internacional

O brasileiro sempre teve o costume de consumir bebidas à base de frutas e, em 1964, caiu no gosto local o refrigerante de origem alemã Fanta Laranja, sucesso até os dias de hoje.

Há várias teorias sobre o motivo da escolha do nome Fanta para o produto — a proximidade com a palavra “fantasia” é uma delas. Outros acreditam que o título se assemelha à palavra “fantástico”, que tem um som e uma grafia parecida em muitos países. A teoria mais comum diz que o nome Fanta foi escolhido porque contém sons comuns à maioria dos idiomas.

A primeira máquina de ‘post-mix’

Os anos 1970 trouxeram muitas inovações aos consumidores. A primeira grande novidade tecnológica foi a máquina de post-mix, que mistura o xarope do refrigerante com água e adiciona o gás nos próprios locais de venda — como bares, lanchonetes e restaurantes —, provocando nova sensação de frescor na bebida.

Máquina de ‘post-mix’ de 1982
Máquina de ‘post-mix’ de 1982

Parker Smith/ The Coca-Cola Company

A primeira máquina do tipo no Brasil foi instalada em 1971, na antiga Casa Rick, no Leblon, bairro da zona sul do Rio de Janeiro. O espaço glamouroso, criado pelo empresário Ricardo Amaral, vivia lotado de celebridades que também puderam experimentar lá a recém-criada Fanta Uva, o primeiro produto desenvolvido no Brasil.

Novidade: anúncio da The Coca-Cola Company de 1983 exibe bebidas em lata
Novidade: anúncio da The Coca-Cola Company de 1983 exibe bebidas em lata

Arquivo The Coca-Cola Company

Chegada das latinhas

Na década de 1980, duas grandes novidades vieram para facilitar a vida do consumidor: os refrigerantes em lata, embalagens mais econômicas e práticas, em 1981; e, em 1988, as tampas em rosca, primeiro na versão de alumínio e, em seguida, de plástico.

Acesso a bebidas em qualquer lugar

Em meados dos anos 1990, chega a inovadora “vending machine”, a máquina automática que permite que o cliente tenha acesso às bebidas em lata em qualquer lugar – mesmo que não haja um mercado, bar ou restaurante próximo.

Ainda em 1995 é lançada a água Crystal, e, dois anos depois, chegam ao mercado a Coca-Cola Light e o Guaraná Kuat. O novo Guaraná teve seu nome inspirado na relação com a região amazônica, local de extração da matéria-prima utilizada para se produzir o refrigerante. Em tupi-guarani, “Kuat” significa “irmão gêmeo da lua”.

Na era do compartilhamento

Durante a Copa do Mundo da FIFA 2014, no Brasil, a companhia proporcionou que a sonhada taça de 6,175 quilos de ouro maciço fosse tocada pelos jogadores da Seleção Brasileira de Futebol 5, que têm deficiência visual, durante o Tour da Taça – um feito histórico, já que apenas chefes de Estado e campeões mundiais do torneio podem tocar o objeto mais desejado do futebol. A FIFA, desta vez, abriu uma exceção à regra.

Durante a Copa do Mundo da FIFA 2014, no Brasil, jogadores da Seleção Brasileira de Futebol 5, que têm deficiência visual, puderam tocar a Taça
Durante a Copa do Mundo da FIFA 2014, no Brasil, jogadores da Seleção Brasileira de Futebol 5, que têm deficiência visual, puderam tocar a Taça

Já para os Jogos Olímpicos Rio 2016, a Coca-Cola criou 98 modelos de pins, que podiam ser trocados no Pin Trading Center, no Parque Olímpico da Barra da Tijuca. Além destes, a cada dia, ao longo dos jogos, foi lançado um novo pin temático. Ao todo, a marca patrocinadora oficial dos Jogos produziu 170 mil modelos para venda durante o evento, no Rio de Janeiro.