Água é um tema prioritário para a Coca-Cola Brasil: significa a sustentabilidade do negócio e do planeta. Por isso, a empresa conta com iniciativas e estratégias com metas claras em duas frentes de atuação: buscando mais eficiência dentro das fábricas e mais reposição hídrica, fora delas. Desde 2015 a empresa devolve para a natureza e sociedade o equivalente a toda a água captada, por meio de programas de conservação ambiental, reflorestamento e acesso à água. Nas fábricas, em 25 anos, houve redução de 35% no volume de água necessário para a produção da bebida.

Este ano, o Dia Mundial da Água, celebrado em 22 de março, reforça a preocupação com o tema. Em um cenário no qual o abastecimento de água e esgoto são fundamentais para as medidas de contenção da pandemia do novo coronavírus, é preciso agir de forma integrada com organizações sociais, governos e iniciativa privada.

‘Investimos ainda para a proteção de bacias hidrográficas e conservação de áreas naturais como estratégia para a preservação da natureza e reposição hídrica. Graças a esse compromisso de longo prazo, chegamos em 2015 – cinco anos antes do prazo - a nossa meta global, lançada em 2007 de devolver para natureza cada litro que utilizamos em nossas bebidas’ – Rodrigo Brito, gerente de Sustentabilidade da Coca-Cola Brasil.

Em parceria com 17 organizações, a Coca-Cola Brasil garantiu, em três anos, o acesso e tratamento de água em mais de 350 comunidades rurais de baixa renda de oito estados, beneficiando diretamente cerca de 88 mil pessoas. Essa é uma das formas que a empresa tem atuado de forma consistente para avançar na reposição hídrica, ou seja, em devolver o equivalente a toda a água captada para a natureza e sociedade por meio de programas de conservação ambiental, reflorestamento.

“Investimos ainda para a proteção de bacias hidrográficas e conservação de áreas naturais como estratégia para a preservação da natureza e reposição hídrica. Graças a esse compromisso de longo prazo, chegamos em 2015 – cinco anos antes do prazo - a nossa meta global, lançada em 2007 de devolver para natureza cada litro que utilizamos em nossas bebidas”, afirma Rodrigo Brito, gerente de Sustentabilidade da Coca-Cola Brasil.

A Coca-Cola Brasil participa de projetos e parcerias para a proteção e conservação de florestas e bacias de água numa área equivalente a 103 mil campos de futebol. Destaque principal para a região da Amazônia, pela sua importância climática e em termos de biodiversidade para o Brasil e todo o planeta. É no Amazonas que há dez anos a empresa é parceria da Fundação Amazonas Sustentável(FAS), organização internacionalmente reconhecida pela sua atuação em mais de 500 comunidades de 16 unidades de conservação no estado. Além da parceria para a conservação, por meio do programa Bolsa Floresta, a Coca-Cola Brasil e FAS também trabalham em conjunto na implantação de sistemas comunitários de tratamento de água para mais de 20 comunidades e 500 famílias.

Em parceria com fabricantes do Sistema Coca-Cola Brasil (Femsa, Leão, Solar e Brasal), instalamos cinco pontos de hidratação que oferecem acesso à água potável sem qualquer custo para moradores locais, nas comunidades do entorno das fábricas que produzem bebidas e água mineral. Os pontos de hidratação estão em operação nas cidades de Linhares (ES), Luziânia (GO), Potirendaba (SP), São Luis (MA) e Maceió (AL).

 A atuação voltada para a eficiência hídrica consiste na reduzindo cada vez maior do volume de água necessário para a produção de cada bebida, nas 37 fábricas espalhadas por todo o Brasil. Hoje, em média, é necessário 1,61 litro de água por litro de bebida produzido, índice superior a países como Japão e Estados Unidos e valor 35% menor do que o registrado em 1995. Em 2018, o índice era de 1,68 litros e a meta para 2020 é chegar a 1,58 litro por litro de bebida. Para isso, há investimento na integração, dados e tecnologia, além da ampliação em 2020 de projetos de medição, balanço e simulação hídrica.