Conheça nossas políticas de marketing responsável e de redes sociais.

A Coca-Cola Company interromperá suas postagens pagas e orgânicas em todas as plataformas de mídia social, globalmente, por, pelo menos, 30 dias, a partir de 1º de julho, conforme anunciou o CEO e presidente do conselho da Coca-Cola Company, James Quincey, na sexta-feira (26).

“Não há lugar para o racismo no mundo e não há lugar para o racismo nas mídias sociais”, disse Quincey em um comunicado. “Vamos usar esse tempo para reavaliar nossa política de marketing e determinar quais revisões serão necessárias. Também esperamos mais responsabilidade e transparência de nossos parceiros de mídias sociais.”

A Coca-Cola se une a uma lista crescente de grandes marcas que estão retirando seus anúncios das mídias sociais, enquanto aumentam as preocupações com os discursos de ódio e as informações falsas que circulam nos ambientes virtuais, e que pedem que as redes sociais implementem medidas mais rigorosas para livrar suas plataformas do ódio, da violência e do conteúdo inapropriado. A ação da empresa é mais ampla entre as plataformas de mídia social do que o boicote #StopHateForProfit — ao qual a Coca-Cola não aderiu — e poderá se estender além do período que prevemos inicialmente.

“É muito cedo para se comprometer com quanto tempo nossa pausa durará”, disse Quincey. “Precisamos de pelo menos 30 dias para revisar onde estamos hoje e para onde precisamos conduzir as próximas ações. Isso nos permitirá reavaliar nossas próprias políticas e procedimentos e envolver nossos parceiros de mídia social em um esforço para proporcionar um ambiente mais seguro e sem ódio onde nossos consumidores experimentam nossas marcas.”

Uma equipe multifuncional e intercontinental analisará os Princípios para uma Mídia Digital Responsável da empresa, os princípios para agências parceiras e outros termos e condições de contratos com parceiros para analisar quais mudanças, se houver, precisam ser feitas; além de comunicar e garantir a aderência aos princípios para todos os parceiros de mídia social. Isso incluirá expectativas e prazos claros para serem tomadas medidas, para monitoramento e auditoria de terceiros.

“Quando detectarmos que nossos princípios não estão sendo respeitados, agiremos”, garantiu Quincey.

A companhia continuará a oferecer feedback e uma voz de liderança entre as principais organizações do setor, incluindo a Federação Mundial de Anunciantes (WFA) e a Association of National Advertisers (ANA), nos Estados Unidos, com a intenção de impulsionar a governança e a responsabilidade nas plataformas digitais.

“Esta é uma jornada, e acreditamos que podemos usar nossas vozes coletivas para promover mudanças mais rápidas, com maior transparência”, afirmou Quincey.